Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

[in]Sensato

Momentos de reflexão, opinião, crítica e entretenimento

Greve de Professores e...

Maio 19, 2018

P. P.

   

back-to-school-2629361_1920

 

 

 

   Há muito que a Educação e a Saúde têm sofrido penalizações por parte de uniões inusitadas nas bancadas parlamentares. 

Muitas das vertentes da vida de professor são desconhecidas e pouco ou nada faladas:

 

- as condições de habitação;

- a distâcia das Escolas dos agregados familiares;

- um sistema de colocações que não prima pela graduação;

- as viagens e as estradas assustadoras, em muitos pontos do país, sem quaisquer ajudas de custo;

- a formação das direções das Escolas com o parco envolvimento dos docentes da Escola;

- as Escolas que funcionam como Empresas, cada vez mais distantes do lado humano;

- a insensibilidade nos casos de doença;

- a falta de medidas capazes de defender os professores da má educação e atos violentos de pais e alunos;

- a não colocação nos devidos escalões, reduzindo o real número de anos de serviço;

- etc, etc.

 

Para que conste, não referi os vencimentos. 

Em meu entender, a perceção destes deve estar associada à distância da Escola, situação da família e outros fatores. 

 

Ao que assistimos, na comunicação social neste dia de greve geral de professores?

 

- relatos e críticas a respeito de um casamento real, realizado num outro país;

- ao prolongamento dos episódios de um clube de futebol, semelhantes ao de tantos outros...

 

De facto, os pilares de uma sociedade não correspondem aos interesses dos portugueses. Tal como o futuro de um país, com tantos temas de corrupção e crimes deixados para 2.º plano.

 

 

 

clark-street-mercantile-33913-unsplash

 Photo by Clark Street Mercantile on Unsplash

 

Não adianta ler, mas...

 

 

Às principais reivindicaçõescontabilizar o tempo de serviço congelado (nove anos, quatro meses e dois dias, traduzidos na mensagem “9A-4M-2D”, replicada em cartazes, folhetos e t-shirts) e aprovar um regime especial de aposentação, ao fim de 36 anos de serviço — os sindicatos acrescentaram outras: baixar o número de alunos por turma, melhorar as condições de trabalho e garantir estabilidade e segurança na profissão.

Pela Federação Nacional da Educação, João Dias da Silva criticou as “políticas de desvalorização”. Saudando “o grande número” de professores que aderiram ao protesto, o dirigente dirigiu-se ao ministro para lembrar que “não chega dizer que a escola é a sua paixão”.

Os professores exigem reconhecimento e respeito”, frisou. “Somos a escola, construímos a escola”, disse, recordando que para a banca “não há limites” de financiamento. A coordenadora do BE foi uma das figuras políticas presentes na manifestação. À pergunta dos jornalistas sobre os apelos à demissão do ministro da Educação, Catarina Martins relativizou, dizendo que “está na altura” de o Governo resolver os “muitos problemas da escola pública”.

Para a líder bloquista, são três as reivindicações principais para demonstrar que os professores são “o pilar da educação”: garantir “respeito pelas carreiras”, assegurar “concursos corretos e justos, que não deixem ninguém para trás” e alterar a situação de “alunos a mais por turma” e “carreiras longas demais”, que explicam o terço de professores “em burnout”, cuja única solução é entrarem de baixa.

 

Extraído de O Observador, às 21h do dia 19 de maio

3 comentários

  • Imagem de perfil

    P. P. 07.06.2018

    Não te desviaste do tema em momento algum. Eu também concorri 3 anos antes de ti e conheci tão bem esses tais "miniconcursos" :)
    Concordo com tudo o que disseste. Lamento não ter tido a tua perspicácia. Se por um lado não me via a fazer outra coisa, por outro, admito, desconhecia a realidade.
    Uma ordem sim. Já sindicatos... Tantos interesses implicados e a defender. Recordo quando na educação especial, com casos muito graves, no sindicato de então encontrava, no exercício de funções colegas que não queriam estar longe de casa ou "aturar" alunos. É uma triste e vergonhosa realidade. Talvez por isso, quando estes vão às escolas, discursam algo ... fora de muitos dos contextos reais.
  • Imagem de perfil

    Cecília 07.06.2018

    perspicácia talvez, sim. mas, sobretudo, pragmatismo. desde muito nova que me inteirei da extrema necessidade de ser autónoma ( nunca tive ideias de independência. nunca somos independentes de ninguém. mas devemos ser autónomos). fico muito feliz que muitos como tu estejam a aguentar o sistema mas sobretudo, nem que seja 1!, a fazer o melhor pelos alunos que lhes cai no colo e nos braços.

    para além das voz das minhas filhas, do marulhar das ondas, não há som mais belo que o chilreio de um recreio.

    os sindicatos, no setor do ensino, são parasitários. em absoluto. eu não suporto o M.N. no lugar dele... falar de evolução de carreira é ultrajante!

    obrigada, enquanto cidadã, pela tua "falta" de perspicácia ;)
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Direitos

    Ainda que procure uma utilização cautelosa e não abusiva de textos, imagens e sonoridades, poderá haver lugar à utilização indevida de obras objeto de direitos de autor. Contudo, apesar do recurso às hiperligações de origem, sempre que a legislação o implique ou seja devidamente informado, de imediato procederei a reajustes. Os textos e fotografias sem referência bibliográfica são da minha autoria.

    Arquivos

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D